PROCURA-SE PRESIDENTE DA REPÚBLICA, A NOSSA SUMIU!

Procura-se Presidente da RepúblicaÉ muito comum, quando um governo é empossado, que ele se veja de frente ao que chamamos de “Herança Maldita”, ou seja, que ele tenha de lidar com os erros do governo anterior de forma a evitar maiores problemas para o país. O que já não é tão comum: um governo deixar uma herança maldita para si mesmo.

Dilma Rousseff governou o país de 2010 a 2014 e foi reeleita para um novo mandato até 2018. Entretanto, a inexperiência e crença equivocada em sua capacidade administrativa, levou o governo federal a colocar o Brasil em uma situação que hoje foge do controle. Por mais que a oposição tenha alertado, a mídia tenha informado, parte da população tenha suplicado, o povo reelegeu o PT com base em uma campanha mentirosa e manipuladora que hoje vemos com mais clareza do que na própria época das eleições.

A candidata Dilma afirmou, em alto e bom som, que não alteraria os direitos do trabalhador “nem que a vaca tussa” (nas palavras da mesma). Já a presidente Dilma, neste presente mês, sancionou a redução de diversos direitos como o seguro desemprego e o acesso as pensões.

A candidata Dilma bradou que a economia brasileira ia de vento em popa e que o país voltaria a crescer em 2014. Já a presidente Dilma, que recebeu o país em superavit primário, iniciou seu segundo mandato em déficit primário colocando o Brasil em recessão econômica. Solução? Seu ministro da fazenda anunciou um pacote de aumento de impostos para incrementar a arrecadação fiscal em R$ 20 bilhões neste ano. Entre os produtos que sofrerão aumento por conta dessas medidas temos: a gasolina; produtos industrializados; alimento; cobrança das operações financeiras (IOF). Curiosamente, embora o país esteja tecnicamente quebrado, o Palácio do Planalto teve os gastos com cartões corporativos aumentados em 51% no ano passado. A maior parte dos gastos ocorreu durante a campanha da presidente Dilma e quase 100% dos pagamentos foram feitos de forma sigilosa. Transparência? Não por aqui.

A candidata Dilma utilizou, como uma de suas principais bandeiras eleitorais, a redução dos preços da energia elétrica no Brasil e afirmou que não haveria nenhum risco de racionamento de energia no país, diferente do que aconteceu em 2001 sob o governo FHC. Após as eleições, pessoas ligadas ao governo já admitem aumento em até 40% na conta de luz do brasileiro. Como se não bastasse, recentemente ocorreu um apagão em 10 estados brasileiros e Distrito Federal. Especialistas comprovam que a situação do parque energético, incluindo o nível das represas das hidrelétricas, é pior do que na época dos apagões de 2001. Podemos esperar mais cortes de energia.

A candidata Dilma fez forte defesa ao combate a corrupção, inclusive utilizando a plenária da ONU como palanque eleitoral. Entretanto, hoje, a presidente enfrenta o maior escândalo de corrupção deste país (maior que o Mensalão). As investigações da operação Lava Jato, da Polícia Federal, começou a prender os altos executivos da Petrobras por crimes contra a corporação e contra a União. A maioria deles, amigos e/ou indicações de Dilma para os respectivos cargos. Ela, por sua vez, afirma não saber de nada.

De duas uma: ou a presidente realmente é muito inocente e não faz a mínima ideia do que está acontecendo no seu próprio país. Ou dois: ela ignorou tudo e todos, acreditando na sua capacidade administrativa, e realmente perdeu o controle do governo federal.

Um sinal claro de que a situação realmente está fora de controle é quando um petista concorda com isso. Um sinal pior ainda, é quando o próprio José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil e mensaleiro condenado, admite que o país está um caos e que Dilma não sabe o que faz, como publicou recentemente em seu blog. Talvez ela devesse parar de se preocupar com a execução de traficantes do outro lado do mundo e começasse a olhar mais para a Nação a qual preside.

Publicado em: Jornal Comércio do Jahu e Jornal Diário da Serra

OS 37 MILHÕES DE ELEITORES QUE REELEGERAM DILMA ROUSSEFF, MESMO SEM VOTAR EM DILMA ROUSSEFF

Não venham me dizer que o voto branco ou nulo, e até mesmo o ato de não votar, seja uma “posição” política. Não neste momento em específico da política nacional. Não em um pleito em que 3,4 milhões de votos (3%) garantiram a reeleição. Em um momento em que a permanência de um mesmo partido no poder (agora por 16 anos), fez emergir na população um sentimento de mudança e patriotismo que não se via no brasileiro desde 1992 com o impeachment do então presidente da república Fernando Collor de Melo. É válida essa “margem da vitória” ao se tratar de democracia, entretanto a mesma validade dessa margem é colocada em xeque ao vermos a somas das taxas de abstenção, brancos de nulos ser de 30% do eleitorado.

Falta de responsabilidade política daqueles que usaram do discurso “não me representa”. Falta de responsabilidade porque, com esse discurso, o Brasil inteiro ficou na iminência de uma mudança necessária no que diz respeito a “alternância de poder”, preceito fundamental do regime democrático. A questão em evidência: o que motivou 37 milhões de brasileiros a deixaram de exercer o maior direito democrático e constitucional que o nosso povo conquistou tão recentemente a custo de armas em punho? Por que preferiram ter um “voto de avestruz” a escolher entre dois candidatos para o maior cargo desta República? O afastamento do brasileiro frente as questões políticas do país é calculado e intencional. Uma manobra política que põe a democracia desta Nação sob o questionamento da ética e da moral.

O brasileiro assistiu, por 60 dias, a violenta campanha do PT invadir o seu lar e propagar a incerteza. Assistiu, por 60 dias, as agressões publicitárias desnecessárias (ou necessárias para tal partido) aterrorizar a sociedade com mentiras e ilusões. Assistiu, por 60 dias, a campanha de desconstrução de imagens de líderes políticos. Assistiu (lê-se sofreu) por 60 dias, o ESTUPRO POLÍTICO cometido pelo Partido dos Trabalhadores contra a sociedade brasileira ao fazer uma campanha suja, uma campanha do medo.

Agora a batalha a ser travada por todos aqueles que ainda acreditam em uma Nação mais justa, mais forte e mais correta, será reeducar o país. Garantir que o povo brasileiro volte a dar atenção às questões políticas, pelo que realmente importa: educação; saúde; moradia; emprego. Um futuro amplamente próspero para o Brasil, pois, como um dia disse nosso querido Eduardo Campos, “é aqui onde iremos criar nossos filhos”.

Publicado em: Jornal Comércio do Jahu / Jornal Diário da Serra