PETRÓLEO BRASILEIRO PETISTA S/A

A Petrobras – Petróleo Brasileiro S/A remonta os anos 50, fundada pelo então presidente da República, Getúlio Vargas. Por 60 anos ela fez parte do “orgulho brasileiro”. Classificada em 2010 como a 12ª empresa mais valiosa do mundo, o Brasil – e o mundo – viu toda a sua glória e valor despencar nos últimos quatro anos sob uma administração negligente e criminosa. No último ranking divulgado pela revista Forbes, em 2014, a Petrobras caiu 108 posições, figurando agora em 120º lugar em valor de mercado.

Empresas crescem e decrescem diáriamente. Alguns casos mais drásticos que outros. Quem iria esperar, por exemplo, que Eike Batista iria quebrar a OGX e chegar a “falência”? Ou quem iria esperar que a Petrobras fosse perder R$ 600 bilhões em valor de mercado, inclusive, perdendo o posto de empresa mais valiosa do Brasíl?

Muitos motivos levam uma empresa a apresentar resultados tão negativos. No caso da Petrobras, podemos enumerar alguns: horrivel gestão administrativa; aparelhamento total por parte do governo petista ao empregar todos os “companheiros” possíveis e impossíveis; fraudes e corrupção corporativa; desvio de dinheiro público; caixa 2 (3, 4, 5….). Porém o que mais atinge a empresa são as denúncias diárias e maciças dos esquemas lavrados na empresa sob a luz verde do mais alto escalão administrativo.

E quando uma empresa de capital aberto, ou seja, que opera ações na Bolsa de Valores, apresenta aos acionistas resultados tão desastrosos, o que acontece? Os acionistas vendem as ações, afinal de contas, ninguém quer arriscar o seu dinheiro em uma empresa que a cada dia cai mais e mais. Só nessa última semana, a Petrobras teve uma queda de 25% na BM&F Bovespa. Uma empresa cujas ações já chegaram a ser negociadas em mais de R$ 50,00 por ação, na última semana foram negociada perto de R$ 8,00 por ação. Uma queda monstruosa que levou prejuizo para muitos acionistas e para todos os brasileiros.

Quanto mais as investigações avançam, mais esquemas fraudulentos são descobertos e diretores da Petrobras, envolvidos. Essa semana, um email comprovou que a atual presidente da empresa, Graça Foster, sabia das irregularidades desde antes de ser empossada presidente. O Ministério Público denunciou o ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, comprovando o seu envolvimento ao receber U$ 40 milhões em propina. O cerco está se fechando e não é só nos escritórios da Petrobras. O cerco está se fechando no Palácio do Planalto também.

Dilma Rousseff, contra a sua vontade, já começou a considerar nomes para substituir Graça Foster no comando da estatal. A ordem em Brasília é manter o bonito discurso “os culpados serão levados a justiça, doa a quem doer” e blindar (e eles usam mesmo essa palavra), a todo custo, a Presidente Dilma e o ex-Presidente Lula. Agora, eu me pergunto, por quê blindar uma pessoa, evitando, inclusive, que ela preste depoimentos oficiais sobre o caso, se ela é tão inocente? Bom, talvez o terceiro andar do Planalto não seja assim tão inocente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *